Contextualização

A biofortificação nutricional de alimentos vem constituindo uma opção na União Europeia, que tem justificado a constituição de consórcios internacionais (entre outros a COST Action FA0905) nos quais os proponentes desta proposta tiveram uma função preponderante no Conselho de Gestão em representação de Portugal.

O cálcio é o mineral mais abundante no organismo humano, reconhecendo-se que a respectiva deficiência afecta a contração muscular, coagulação sanguínea e a transmissão nervosa e pode induzir o raquitismo (em crianças) e a osteomalácia (em adultos). Assim, a evolução potencial de carências em cálcio no organismo, ao longo da vida do ser humano, depende da formação óssea no começo da vida, do acúmulo de cálcio nos ossos e da quantidade de massa óssea nas idades mais avançadas.

Com a biofortificação de alimentos em cálcio, a saúde pública dos diferentes grupos populacionais fica beneficiada. De facto, actualmente já se reconhece a importância / impacte dos Programas de Biofortificação.

A Pera Rocha é um produto DOP da Região Oeste de Portugal, cuja comercialização ascende anualmente a cerca de 200 milhões de euros, exportando-se cerca de 150 milhões de euros. Contudo, a biofortificação agronómica da Pera Rocha ainda não foi implementada.

Propõe-se assim a obtenção de Pera Rocha biofortificada, e disseminar informação técnica junto de produtores e indústria transformadora, satisfazendo-se as necessidades de competitividade da cadeia agro-industrial nacional nos mercados internacionais.